Um ano depois, situação dos ativistas detidos em Cabinda “não evoluiu”

Luanda – A situação dos ativistas detidos em Cabinda há um ano “não evoluiu, continua a mesma”, considera o advogado Arão Bula Tempo, um dos acusados de “rebelião”, impedido de sair da região.

Fonte:Lusa

O ativista pelos direitos humanos José Marcos Mavungo e o advogado Arão Bula Tempo foram detidos a 14 de março de 2015, depois de conhecida a intenção de se manifestarem contra o que consideram ser violações de direitos humanos e má governação em Cabinda.


A manifestação não chegou a realizar-se, por proibição do governo local, mas tal não impediu, uns meses mais tarde, que ambos fossem acusados de “rebelião”, um crime contra a segurança de Estado.

Passado quase um ano, Mavungo, condenado a seis anos de prisão efetiva, continua detido e o Supremo Tribunal ainda não analisou o pedido para confirmar ou anular a sentença do tribunal de primeira instância.

Já Tempo, que saiu da prisão a 13 de maio do ano passado, ainda não tem data de julgamento marcada e continua proibido de sair de Cabinda.

Na altura presidente do Conselho Provincial da Ordem dos Advogados de Angola em Cabinda, Tempo foi acusado de dois crimes: “rebelião” e “colaboração com estrangeiros para constranger o Estado angolano”, por alegadamente ter tido a intenção de ir buscar jornalistas de fora para cobrirem a manifestação.

Em outubro, Tempo sofreu um AVC, mas está, até hoje, sem tratamento, já que não pode realizar os exames médicos em Cabinda.

A partir de Cabinda, Adolfina Mavungo, mulher de José Marcos e mãe dos sete filhos que têm em comum, contou à Lusa que o marido “está mais ou menos” de saúde, desconhecendo-se a evolução da doença cardíaca de que sofre, para a qual “nunca mais recebeu tratamento”.

Adolfina Mavungo, que leva as refeições ao marido, visitando-o na prisão “todos os santos dias”, explicou que José Marcos era quem sustentava a família e, portanto, ela e as crianças estão a viver da “solidariedade” de amigos.

“É muito tempo, ele é chefe da família, faz-me muita falta, a mim e às crianças”, confessou.

A comunidade internacional tem dado destaque ao caso, mas “Angola não quer saber da pressão internacional e continuam a gerir o problema da maneira deles”, lamenta Tempo.

Reconhecendo que há “repressão” noutras províncias de Angola, o advogado sublinha a particularidade das “situações políticas” em Cabinda, considerando que “é pior” o tratamento dado aos ativistas de direitos humanos na província, que reclama independência.

Em comunicado, a propósito do que aconteceu a 14 de março de 2015, a Associação Tratado de Simulambuco-Casa de Cabinda exige a “libertação imediata” de Mavungo, declarado prisioneiro de consciência pela Amnistia Internacional, e “o arquivamento de ambos os processos criminais”.

A associação apela à intervenção da comunidade internacional, recordando que os ativistas “foram presos apenas pelo exercício de liberdades fundamentais garantidas pela Constituição angolana”.

Fonte: http://club-k.net/index.php?option=com_content&view=article&id=23746:um-ano-depois-situacao-dos-ativistas-detidos-em-cabinda-nao-evoluiu&catid=2:sociedade&lang=pt&Itemid=1069

ComparteShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someone
Esta entrada fue publicada en Actualidad en portugués. Guarda el enlace permanente.

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *