Bonga: Prisão dos 15 activistas “é uma vergonha”

Lisboa – O músico Bonga considerou que a prisão dos 15 activistas, detidos a 20 de Junho por tentativa de golpe de Estado, “é uma vergonha”, argumentando que “a situação é triste para a democracia”.

Fonte: RE/Publico

“Parar com aquela campanha sistemática de dizer que quem critica Angola é contra Angola”

Em entrevista ao jornal português Público, publicada no último domingo e com o título “Coração angolano, voz de musseque”, o cantor recorda o período da ocupação colonial em Angola, os anos de exílio e termina com um apelo: no ano em que se assinalam os 40 anos de independência nacional, “precisamos de conviver. Precisamos do reencontro”.

Questionado sobre a prisão dos 15 activistas, Bonga responde: “Não estou a gostar nada dessa brincadeira. Já viu qual é o aparelho necessário para dar um golpe de Estado em Angola? Estamos a ser ridículos. Engrenaram estas prisões para servir de exemplo, que é o que têm feito. A imagem que Angola nos está a dar é que reprime para que outros saibam que é assim que age, para outros terem medo de reagir. Isso é uma vergonha. E eu tenho de perguntar: onde está a comunidade internacional quando acontece isto? A situação é triste para a democracia”.

Estão em prisão preventiva, há dois meses, os activistas Henrique Luaty Beirão, Manuel Nito Alves, Afonso Matias “Mbanza-Hamza”, José Gomes Hata, Hitler Jessy Chivonde, Inocêncio António de Brito, Sedrick Domingos de Carvalho, Albano Evaristo Bingo-Bingo, Fernando António Tomás “Nicola”, Nélson Dibango Mendes dos Santos, Arante Kivuvu Lopes, Nuno Álvaro Dala, Benedito Jeremias, Domingos José da Cruz e Osvaldo Caholo (tenente das Forças Armadas Angolanas).

Na entrevista, Bonga afirma ainda que “não é maltratando, aprisionando que chegamos a lado algum. Onde está o diálogo? Então as pessoas não falam entre si? E a nossa casa fica assim, desarrumada? Tem de se dar de comer a quem tem de comer, dar instrução e dar saúde. Esse é o caminho. E parar com aquela campanha sistemática de dizer que quem critica Angola é contra Angola. Já foi assim noutro tempo, no da outra senhora. Então e agora? Como é que estamos a conviver entre nós? Até fizemos uma guerra que nunca devia ter existido. Veja o que diminuímos do ponto de vista humano. Uma tristeza. Não é por aí, tenham paciência”.

Falando sobre os versos “Proibido cantar, para não alertar / proibido voar, para não informar” e o significado que terão actualmente, Bonga pergunta-se “como é que vamos falar para sermos escutados e sermos entendidos? Já fomos mais unidos. Noutro tempo, a gente encontrava-se nas ruas. Agora estamos cada qual para o seu lado. As pessoas não estão a falar, não se estão a visitar. Eu não quero que a mundialização nos transforme dessa forma. Até porque é o povo que se está a lixar”.

O músico faz um balanço dos últimos 40 anos explicando que é preciso “mudar, mas não temos de perguntar a ninguém como se muda, vamos ter de ser nós próprios. Qualquer que seja o teu clube, somos todos mwangolés. Vamos falar e vamos consertar, porque os problemas são da nossa responsabilidade. Quarenta anos depois, ainda vamos condenar o colono? Foram 40 anos nossos e 500 com outros, mas não conseguimos mais do que isto com os nossos 40? Prendemos, matámos, trucidámos, roubámos. Quando fazemos o stop? Precisamos de conviver. Precisamos do reencontro”.

Fonte:  http://club-k.net/index.php?option=com_content&view=article&id=21984:bonga-prisao-dos-15-activistas-e-uma-vergonha&catid=23:politica&lang=pt&Itemid=1123

 

ComparteShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someone
Esta entrada fue publicada en Actualidad, Actualidad en portugués. Guarda el enlace permanente.

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *